Construa torres com o auxílio dos Deuses em Santorini

Antes de tudo é preciso dizer: Santorini é lindo!

Para além disso, é um jogo muito divertido, estratégico e rápido.  Hoje, depois de quase 30 dias que recebi o jogo e depois de, eu estimo, mais de 20 partidas, acredito que posso dar uma palavrinha sobre o jogo.

Componentes

Só para deixar bem claro a minha posição, o jogo é lindo! Os materiais em plástico (tanto as 4 partes de plástico que formam as torres quanto a base, marrom, que é a base da ilha) parecem ser bem resistentes; o tabuleiro no qual o jogo se desenvolve é um um material resistente, parece uma coisa entre papelão e plástico, mas bem resistente, no entanto,  tenha a impressão de que ele não vai durar pra sempre (ou pelo menos vai durar bem menos dos que as torres de plástico).

Minha edição é da edição que vem sem o oceano decorativo, isso é triste, mas justo, quando se pensa no na redução do valor que o jogo teve.

As miniaturas são de um plástico razoável, mas longe de serem uma miniatura de qualidade (considerando que um dos menos focos se bobear o principal é pintar miniaturas, daí que com base nisso que digo que a qualidade é apenas razoável).

Os únicos componentes realmente ruins são as cartas. Elas são de um papel de gramatura não muito maior do que 100g – 125g. Na minha opinião são tão ruins que apesar do jogo não demandar ficar com as cartas na mão e, em certa medida, nem embaralhar, os sleeves passam a ser uma opção quase que necessária. Uma ressalva com relação aos sleeves, eu sou suspeito com relação a colocar sleeves nas cartas dos jogos, TODOS os meus jogos tem sleeves!

Carta do Deus básico (indicado pelo ícone rosa no canto inferior direito) Atlas, que permite construir um domo em qualquer lugar, e da Deusa Avançada (indicado pelo ícone azul no canto inferior direito) Hera, que impede o oponente de vencer o jogo nas laterais

Sobre as regras

Para quem não conhece as regras do jogo elas são extremamente simples, cada jogador terá dois trabalhadores com os quais você obrigatoriamente anda e obrigatoriamente constrói num dos espaços ao seu redor que não tenha outro trabalhador. Basicamente é isso! Ganha quem chegar no 3º nível primeiro. As regras são tão simples, mas tão simples que parecem idiotas. Até você começar a jogar e ver que além de construir, você tem que impedir o coleguinha de ganhar, e para isso tem que construir o domo, completando a torre. Essa é a versão tutorial e a recomendada para entender a dinâmica do jogo.

Após estar familiarizado com a movimentação e construção o jogo recomenda que você insira os poderes dos Deuses Básicos. Os Deuses Básicos são um conjunto de deuses que inserem novas dinâmicas e regras no jogo, e cada jogador terá o poder de um desses deuses. Aqui é que o jogo começa a ficar mais sangue-no-zóio!

Aqui abro um parêntese para um contra com relação ao manual do jogo. Apesar dele ser bem curto, são somente 4 páginas grandes, e vir numa versão em inglês e em francês, nos nossos primeiros jogos tivemos algumas dúvidas com relação a descrição do poder dos Deuses no manual e tivemos que consultar a versão em francês pra tentar esclarecer um pouco mais. Na Ludopédia tem um manual em português, mas não cheguei a ver a qualidade da tradução.

Por fim, a versão mais pauleira do jogo é com os poderes dos Deuses Avançados, aqui o jogo fica realmente competitivo e a estratégia não só predomina como pode ser decisiva para a vitória! Os Deuses Avançados não só trazem mais dinâmicas de jogo, mas também mudam condições de vitória, matam trabalhadores do oponente, alteram a configuração inicial da partida, entre outras coisas! São muito bons, mas um pouco desequilibrados entre eles – alguns fortes demais, outros fracos demais…

Número de jogadores

Santorini é um jogo para 2 jogadores! No entanto, é possível jogar em até 4 pessoas, a regra para 3 jogadores prevê que são cada um dos jogadores por si e na regra para 4 jogadores, a proposta é que se jogue de dupla (nesse caso, cada jogador tem um poder de Deus diferente e não pode usar o poder do amiguinho).

Da minha experiência de jogo, acho que ele roda bem para 2 e para 4 jogadores. Com relação ao jogo para 3 jogadores, eu tive MUITAS partidas negativas, do tipo, faço uma jogada que necessariamente me dará a vitória quando chegar a minha jogada novamente, daí, o próximo jogador para não deixar que eu ganhe realiza uma jogada que permite o próximo jogador ganhar, somente para me tirar a vitória é dor de cotovelo mesmo! 😛. Tirando essas situações, o jogo funciona bem para as três configurações.

Recomendação

O jogo é um ótimo jogo de entrada, tem um gigantesco apelo visual, regras simples e fáceis de aprender e tem um tempo de jogo bem reduzido, tanto que você vai jogando uma partida atrás da outra. Imagino, inclusive, que deva ser um bom jogo para crianças (especialmente sem a utilização das cartas).

Marcos Eduardo on FacebookMarcos Eduardo on InstagramMarcos Eduardo on TwitterMarcos Eduardo on WordpressMarcos Eduardo on Youtube
Marcos Eduardo
Jogador e narrador de RPG na tentativa de aprender a pintar miniaturas e criar cenários para seus jogos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *